Cidades

Iniciativa para presentear avô com a Covid-19 se transforma em solidariedade, após a morte do idoso

Idoso morre sem receber o presente e iniciativa se transforma em solidariedade.

Por: Da Redação | Com informações do Globo Esporte e TV Fronteira atualizado: 5 de março de 2021 | 12h20
Os irmãos Natália e Vinícius Rocha do Prado, de Adamantina (Reprodução/TV Fronteira). Os irmãos Natália e Vinícius Rocha do Prado, de Adamantina (Reprodução/TV Fronteira).

A rivalidade esportiva que é parte do futebol, dentro dos campos, ganhou um novo roteiro, depois da iniciativa dos irmãos e advogados Natália e Vinícius Rocha do Prado, de Adamantina, torcedores do Palmeiras, para presentear o avô paterno, Armando do Prado, torcedor do arquirrival Corinthians e morador em Inúbia Paulista, quando ele estava lutando para se recuperar da Covid-19. O idoso morreu no fim de janeiro, pouco depois da esposa, Dona Merenciana, também morrer pela doença.

O casal Merenciana e Armando do Prado (Acervo da Família)

O caso emocionante e repleto de lições foi destaque em uma reportagem especial publicada nesta quarta-feira (3) no site do Globo Esporte e exibida hoje na TV Fronteira. 

Esperançoso quanto à recuperação o avô hospitalizado, e como forma de carinho, os netos palmeirenses decidiram presenteá-lo com uma camisa retrô do time do idoso, o Corinthians, um modelo retrô produzido em comemoração ao título brasileiro de 1990. “Depois que perdemos nossa avó, a gente queria faze-lo um pouco feliz, para esquecer tudo o que aconteceu”, contou Vinícius ao GE e TV Fronteira. “Comprei com o maior amor, né? Sem essa questão de torcida, porque o que importava era a vida e a felicidade dele”, continuou.

Porém, por não resistir ao agravamento da doença, o idoso não viveu para receber o presente dos netos, torcedores do time que é adversário histórico do alviverde.

Com o presente adquirido, e sensibilizados com o ocorrido, os netos decidiram amplificar o gesto e de alguma forma, mantê-lo vivo. O que seriam uma iniciativa de grande simbolismo familiar ganhou uma nova dimensão. Eles decidiram utilizar a camisa em uma ação solidária que pudesse ser convertida em benefício de outras pessoas. Com isso, conseguiram converter o luto em amor ao próximo.

Assim, os irmãos decidiram fazer uma rifa. A iniciativa ganhou mais força depois que a camisa foi autografada por jogadores do elenco do Corinthians. Quem viabilizou os autógrafos foi o jogador Danilo Avelar, do elenco profissional do time. Ele soube da história e conseguiu as assinaturas na camisa, além de também doar uma camisa com seu nome, autografada. Com esse adicional valioso, mais pessoas se dispuseram a ajudar e adquirir números da rifa, para concorrer.

O avô, Armando do Prado (Acervo da Família)

O jogador Danilo Avelar foi entrevistado pelo GE/TV Fronteira. “Chamou muito a atenção o jeito da história, em um momento tão delicado que a gente está vivendo. Agora, quando você vê uma coisa nesse sentido... Uma homenagem que o neto fez para o avô, de um time rival. Isso supera qualquer barreira. Faz a vida respirar”, disse. (Continua após a publicidade...)

Publicidade

Clínica Savi
Supermercado Godoy

Publicidade

JVR Segurança
Daiane Mazarin Estética
Rede Sete Supermercado

Ajudar o próximo: objetivo alcançado

Com o sucesso na venda da rifa da camisa corintiana, os irmãos palmeirenses conseguiram arrecadar R$ 10,5 mil, que foram revertidos para três instituições: o Lar dos Idosos, de Inúbia Paulista (cidade onde os avós moravam), o Lar dos Velhos de Adamantina e a Santa Casa de Adamantina (onde o idoso ficou hospitalizado). A Santa Casa recebeu 576 fraldas geriátricas descartáveis e mais de 300 litros de leite. “Nesse momento de fragilidade humana, eles não se fecharam ao sofrimento”, disse o frei Mateus Alves, gestor do hospital.

Irmãos entregam doações na Santa Casa de Adamantina (Cedida).

Um dos ganhadores da rifa foi o empresário Yuri Ribeiro, de Flórida Paulista. “Mesmo sendo palmeirense eu comprei, até porque o intuito maior seria ajudar. Confesso que ainda não sei o que fazer com a camisa”, contou ao GE/TV Fronteira.

A perda dos avós deixou um vazio na família. Porém, o gesto dos irmãos permitiu vivenciar uma experiência que avançou para além dos limites do núcleo familiar, mobilizando outras pessoas e beneficiando instituições e seus serviços, o que é celebrado pelos dois. “Digamos que o Corinthians não vai ter mais um torcedor contra”, falou o palmeirense Vinícius, à reportagem. “O grande objetivo é o amor, é ajudar o próximo, sem olhar o time, sem olhar qualquer coisa”, completou Natália, ao GE/TV Fronteira.

Publicidade

Insta do Siga Mais

Publicidade

Cinema