Saúde

Prefeitura vai multar proprietários de imóveis com criadouros do Aedes Aegypti

Além da multa, projeto de lei autoriza cassar alvará de empresas com criadouros do Aedes Aegypti.

Por: Da Redação atualizado: 4 de dezembro de 2018 | 10h13
Imóveis públicos e privados com áreas que favoreçam a proliferação do mosquito Aedes Aegypti ficarão sujeitos a novas penalidades (Ilustração). Imóveis públicos e privados com áreas que favoreçam a proliferação do mosquito Aedes Aegypti ficarão sujeitos a novas penalidades (Ilustração).

Entra em votação nesta segunda-feira (3) na Câmara Municipal de Adamantina projeto de lei de autoria do Poder Executivo, que se aprovado autoriza a Prefeitura a aplicar multas em imóveis urbanos e rurais que possibilitem a proliferação do mosquito Aedes Aegypti, responsável pela transmissão de doenças como a Dengue, Febre Chikungunya, Zika Vírus e Febre Amarela.
O projeto de lei reitera que é dever de todos os proprietários de imóveis a conservação de suas áreas internas e externas, para evitar a proliferação de criadouros do mosquito Aedes Aegypti.
Pela proposta todos os imóveis estão sujeitos à fiscalização pública. Na hipótese de ser encontrado um ambiente propício à proliferação do mosquito Aedes Aegypti – além da presença do próprio inseto ou larvas – o caso deverá ser comunicado à Vigilância Sanitária para a aplicação da sanção cabível.

Penalidades

Em se tratando de propriedade particular, na primeira constatação será lavrada a advertência. Na segunda incidência, será aplicada a multa de 50 UFM (equivalente a R$ 158,00), e nas demais incidências, o valor será dobrado.
Em se tratando de propriedade em que se localize ou sedia estabelecimento empresarial, industrial, comercial ou próprio público (municipal, estadual e federal), aplica-se a advertência na primeira constatação, seguida de multa de 100 UFM (equivalente a R$ 316,00) na primeira reincidência e de 200 UFM (equivalente a R$ 632,00)  a cada nova reincidência, podendo inclusive levar à cassação do alvará do estabelecimento.
Já a concessão de novo alvará fica sujeita à dissipação integral das irregularidades encontradas. Sobre os imóveis públicos, o projeto destaca que a autoridade responsável pela sua conservação responderá solidariamente pela penalidade.
No caso de imóveis fechados para locação, por imobiliárias, as mesmas ficam obrigadas a garantir acesso dos agentes vistoriadores e fiscalizadores, sob pela de multas de 50 UFM a cada incidência.
Já os imóveis fechados, abandonados ou em que sejam impedidas a entrada dos agentes, os proprietários estarão sujeitos a sofrer processo judicial. A proposta também prevê a utilização de força policial para o cumprimento dessas medidas.
O proprietário ou o ocupante do imóvel que proibir a entrada dos agentes, fica sujeito a multa de 50 UFM.
O projeto vai ser votado nesta segunda-feira em primeira discussão, e exigirá nova votação. Depois de aprovado, a nova lei terá vigência após 60 dias de sua publicação.

Publicidade

Clinica Lu Applim

Publicidade

Youtube