Saúde

Adamantina registra 443 casos de dengue e SUCEN não tem previsão sobre reposição de inseticida

SUCEN informa não existe uma previsão de quando o inseticida será repassado aos municípios.

Por: Natacha Dominato | PMA atualizado: 18 de maio de 2019 | 16h47
Combate ao Aedes aegypti exige a eliminação de criadouros, entre os quais objetos e recipientes que possam acumular água (Ilustração). Combate ao Aedes aegypti exige a eliminação de criadouros, entre os quais objetos e recipientes que possam acumular água (Ilustração).

A Vigilância Epidemiológica de Adamantina registrou 443 casos positivos de dengue sendo 442 casos autóctones (doença é contraída dentro da cidade) e 01 caso importado. De janeiro até agora, já foram realizadas 937 notificações.

A Prefeitura de Adamantina, por meio da Secretaria de Saúde, explica que foi informada pela Superintendência de Controle de Endemias (SUCEN) a respeito da falta de inseticida em todo o estado. Conforme o órgão estadual, não existe uma previsão de quando o produto será repassado aos municípios.

O secretário de saúde do município, Gustavo Taniguchi Rufino, explica que não há como adquirir o inseticida por conta própria, pois o mesmo é importado e a compra é realizada pelo Ministério de Saúde que repassa aos estados para que eles façam a distribuição aos municípios conforme a quantidade de casos confirmados. (Continua após a publicidade...)

Publicidade

Supermercado Godoy
Monalisa Adamantina
Rede Sete Supermercado
Clínica Savi
2019 - O ano de Super Vantagens

Publicidade

Daiane Mazarin Estética
JVR Segurança
Haddad

A enfermeira da Vigilância Epidemiológica de Adamantina, Myriam Prado, pede que a população diante dos primeiros sintomas que podem ser febre ou não, dores no corpo, nos olhos, dor de cabeça ou diarréia busque atendimento médico em uma unidade de saúde do município.

"Muitos casos de óbitos já foram registrados em cidades vizinhas, porque as pessoas não buscaram ajuda médica. Diante de qualquer sintoma, procure um posto de saúde imediatamente", salienta.

Francine de Brito Alves, chefe do Controle de Vetores, explica que sua equipe tem encontrado muitos criadouros em residências e terrenos baldios. "A população precisa nos ajudar a combater a dengue, cada um precisa fazer a sua parte mantendo o seu quintal sempre limpo", finaliza.

Publicidade

Iogurtes Carolina

Publicidade

Adamantina Rodeo Festival

Publicidade

Cinema
Clinica Lu Applim

Publicidade

Youtube