Polícia

Professora e psicóloga negra é chamada de macaca e leva caso à polícia em Adamantina

Vítima prestou novas declarações à Polícia Civil e vai representar contra a agressora.

Por: Da Redação atualizado: 15 de janeiro de 2019 | 10h51
Vítima prestou novas declarações à Delegacia de Defesa da Mulher nesta quinta-feira (10), sobre possível crime de injúria racial (Arquivo). Vítima prestou novas declarações à Delegacia de Defesa da Mulher nesta quinta-feira (10), sobre possível crime de injúria racial (Arquivo).

Uma professora e psicóloga de Adamantina, negra, de 32 anos, foi alvo de ataques, em aplicativos de mensagens, que podem caracterizar crime de injúria racial. O caso foi denunciado pela ofendida na noite de 24 de dezembro, quando procurou o plantão da Polícia Civil local para formalizar o boletim de ocorrência.

Um novo desdobramento do caso se deu nesta quinta-feira (10), quando a ofendida prestou nova declaração, mais detalhada, junto à Delegacia de Defesa da Mulher (DDM), para onde o caso foi remetido, para apuração.

As agressões à professora e psicóloga teriam iniciado após a agressora tê-la visto dirigindo o automóvel do ex-marido – amigo da vítima –, quando então enviou mensagem ao ex-companheiro chamando-a de macaca. As telas do aplicativo de mensagens foram printadas e poderão servir como prova.  

Um segundo episódio, também envolvendo troca de mensagens entre a agressora e a ofendida, ocorreu quando a ex-mulher pediu que o ex-companheiro apagasse as mensagens onde chamou a professora e psicóloga de macaca, reconhecendo assim os problemas que poderiam acarretar. A agressora ainda se referiu à ofendida como coitada.

Esse segundo episódio se deu durante uma viagem onde a professora e psicóloga acompanhava seu amigo e é ex-marido da agressora, quando pôde visualizar a chegada dessa mensagem, pelo celular. O aparelho estava no painel do carro sendo usado como GPS com as notificações de mensagens visíveis. (Continua...) 

Publicidade

Monalisa Adamantina
Supermercado Godoy

Publicidade

Haddad
JVR Segurança
 

Ofensas também ocorrem no plantão da Polícia Civil

Quando a professora e psicóloga procurou o plantão da Polícia Civil na noite de 24 de dezembro para relatar o caso que pode caracterizar crime de injúria racial, a agressora também compareceu à repartição, para formalizar boletim de ocorrência em que relatava violação de domicílio, que teria sido cometida pelo ex-companheiro.

A mulher autora das ofensas estava com uma criança – filha que teve com o ex-companheiro – e segundo da vítima, conforme declarado nos autos iniciais, a agressora começou a gesticular e emitir sons, imitando macaco, dentro do plantão policial, o que foi entendido pela vítima como provocações. Esse episódio teria sido testemunhado pelos próprios policiais em serviço.

A autora das agressões raciais é empresária e também trabalha em uma escola pública, em Adamantina. A mulher agredida confirmou nos autos, junto à Polícia Civil, que deverá representar contra a autora, dentro do que permite e regula a legislação vigente.  

Crime de injúria prevê pena de reclusão

Segundo informa o site do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), a injúria racial está prevista no artigo 140, parágrafo 3º, do Código Penal, que estabelece a pena de reclusão de um a três anos e multa, além da pena correspondente à violência, para quem cometê-la. De acordo com o dispositivo, injuriar seria ofender a dignidade ou o decoro utilizando elementos de raça, cor, etnia, religião, origem ou condição de pessoa idosa ou portadora de deficiência.

Em geral – continua o CNJ – o crime de injúria está associado ao uso de palavras depreciativas referentes à raça ou cor com a intenção de ofender a honra da vítima.

Publicidade

Clinica Lu Applim
Cinema

Publicidade

Insta do Siga Mais