Polícia

Polícia Civil faz operação em 13 cidades para combater venda de rifa pró organização criminosa

Prêmios ofertados a cada sorteio são imóveis (apartamentos ou casas), veículos e valores em espécie.

Por: Da Redação atualizado: 4 de outubro de 2019 | 09h31
Organização criminosa confecciona e comercializa, em média, 60 mil números, ao custo individual de R$ 40, gerando uma receita bruta de aproximadamente R$ 2,4 milhões (Cedida/Polícia Civil). Organização criminosa confecciona e comercializa, em média, 60 mil números, ao custo individual de R$ 40, gerando uma receita bruta de aproximadamente R$ 2,4 milhões (Cedida/Polícia Civil).

A Polícia Civil do Estado de São Paulo, por meio da Central de Polícia Judiciária de Presidente Venceslau e com apoio de outras unidades territoriais, deflagrou, na manhã desta quinta-feira (3), a Operação Blackjack.

As diligências realizadas por 130 policiais civis nas cidades de Caiuá, Pacaembu, Tupi Paulista, Martinópolis, Presidente Prudente, Presidente Venceslau, Santo Anastácio, Candido Mota, Birigui, Penápolis, Mirandópolis, Pereira Barreto e Valparaíso visam dar cumprimento a 11 mandados de prisão preventiva, um mandado de prisão temporária e 26) mandados de busca e apreensão expedidos pela 1ª Vara Criminal da Comarca de Presidente Venceslau.

No município de Presidente Venceslau, a operação da Polícia Civil conta com o apoio da Polícia Militar, representada por três equipes da Força Tática, três equipes do BAEP e uma equipe do canil.

As prisões e buscas estão relacionadas à investigação, de mais de três meses, da “Sintonia da Rifa”, estrutura criada por uma facção criminosa que atua dentro e fora dos presídios. (Continua após a publicidade...)

Publicidade

Clínica Savi
Monalisa Adamantina
Tio Panda Adamantina
Supermercado Godoy

Publicidade

Haddad
Rede Sete Supermercado
Daiane Mazarin Estética
JVR Segurança

A investigação teve como ponto de partida a identificação de um indivíduo, morador de Presidente Venceslau, cuja atuação está vinculada a mencionada organização criminosa, exercendo a função de controle e distribuição de números de loteria ilegal denominada “Rifa” ou “RF”.

A distribuição é feita a faccionados responsáveis pela venda de cartelas em municípios do interior paulista na “Regional 018” e a arrecadação dos respectivos valores é em benefício do crime organizado.

As investigações promovidas pela Polícia Civil indicaram a efetiva atuação da célula criminosa voltada à difusão da loteria ilegal e ao comércio ilícito de drogas na região.

Sintonia da rifa

Segundo a Polícia Civil, o “Setor da Rifa” ou “RF” na estrutura da organização criminosa é uma fundamental fonte de recursos financeiros para manutenção dos seus ideais, principalmente em auxílio à atividade de domínio do narcotráfico, aumentando, em última análise, o poder econômico-financeiro do crime organizado.                                                      

A investigação estima que a cada edição de sorteio da rifa, normalmente realizada bimestralmente, a organização criminosa confecciona e comercializa, em média, 60 mil números, ao custo individual de R$ 40, gerando uma receita bruta de aproximadamente R$ 2,4 milhões.

Os prêmios ofertados a cada sorteio são imóveis, apartamentos ou residências, veículos e valores em espécie.

Publicidade

Iogurtes Carolina

Publicidade

Auto Doc

Publicidade

Clinica Lu Applim
Cinema

Publicidade

Insta do Siga Mais