Polícia

Pastor acusado de estuprar a filha em Adamantina é preso em Araçatuba

Crime foi denunciado em 2017 em Adamantina, e abusos já haviam ocorrido há cinco anos.

Por: Site Hoje Mais | Araçatuba atualizado: 14 de março de 2019 | 19h37
Pastor acusado de estuprar a filha em Adamantina é preso em Araçatuba

Um pastor de 55 anos foi preso por equipe do GOE (Grupo de Operações Especiais) da Polícia Civil de Araçatuba (SP), na manhã desta quarta-feira (13), acusado de estuprar a filha adotiva, hoje com 16 anos.

Havia um mandado de prisão em aberto expedido pela Justiça de Adamantina (SP) contra ele, que foi encontrado pelos investigadores após o Cipol (Centro de Inteligência da Polícia Civil) identificar que estaria escondido em Araçatuba.

Em diligências, foi constatado que ele estava morando em uma casa na rua Vicente de Carvalho, no bairro Umuarama, endereço para o qual foi solicitado o mandado de busca.

Os investigadores foram ao local no início da manhã, cercaram o imóvel e chamaram pelos moradores. Como houve demora em atender, o portão e a porta da casa foram arrombados.

O pastor foi detido e confirmou que sabia que era procurado da Justiça, por isso resolveu se esconder em Araçatuba.

Durante as buscas na casa dele foram apreendidos celular e tabletes com mensagens referentes aos crimes. (Continua após a publicidade)

Publicidade

Rede Sete Supermercado
Supermercado Godoy
Monalisa Adamantina

Publicidade

Haddad
JVR Segurança
Daiane Mazarin Estética

Cinco anos

O Hojemais Araçatuba apurou que o boletim de ocorrência denunciando os crimes foi registrado em abril de 2017, pelo Conselho Tutelar na DDM (Delegacia de Defesa da Mulher) de Adamantina.

Segundo o que foi relatado, a vítima havia sido abusada pelo pai há cinco anos. Após receber a denúncia, as conselheiras encontraram a adolescente, que confirmou ter sido abusada e passou por exame de corpo de delito. 

Agora preso, o pastor foi levado para o plantão policial em Araçatuba e ficará à disposição da Justiça para responder pelos crimes sexuais previstos nos artigos 214, 224 e 227-A do Código Penal.

Publicidade

Cinema
Clinica Lu Applim

Publicidade

Youtube