Polícia

Em penitenciária de Presidente Prudente preso é assassinado após se masturbar em companheiro de cela

Detento de 33 anos confessou o crime, ocorrido na madrugada desta terça-feira (22).

Por: Da Redação | Com informações do G1 Presidente Prudente atualizado: 23 de novembro de 2022 | 17h53
Penitenciária Wellington Rodrigo Segura, no distrito de Montalvão, em Presidente Prudente, onde ocorreu o crime (Imagem: TV Fronteira). Penitenciária Wellington Rodrigo Segura, no distrito de Montalvão, em Presidente Prudente, onde ocorreu o crime (Imagem: TV Fronteira).

Um preso de 51 morreu na madrugada desta terça-feira (22) em uma das celas do “seguro” na penitenciária “Wellington Rodrigo Segura”, no distrito de Montalvão, em Presidente Prudente. A morte foi provocada por agressões e estrangulamento. Um companheiro de cela, de 31 anos, assumiu a autoria do crime.

O assassinato foi descoberto por volta das 5h30 durante o procedimento de rotina de contagem dos presos.

De imediato, o detento de 31 anos assumiu a autoria do crime e relatou aos agentes da penitenciária que durante a madrugada teria sido surpreendido com o colega de cela se masturbando em cima de si, tendo ejaculado em sua barriga. A situação desencadeou uma discussão e a agressão.

Publicidade

Supermercado Godoy
Daiane Mazarin Estética

Publicidade

Rede Sete Supermercado
JVR Segurança

No momento da contagem o autor do crime estava sujo de sangue e com ferimento em um dos dedos da mão. Já a vítima foi encontrada pelos agentes caída no chão.

Um terceiro preso, na mesma cela, negou ter participado das agressões e disse ter tentado intervir para que fosse cessada a discussão, porém sem resultado.

O autor do assassinato foi ouvido inicialmente na própria unidade prisional e depois encaminhado à Polícia Civil de Presidente Prudente, onde confirmou os fatos à autoridade policial e foi indiciado pelo crime de homicídio qualificado por motivo fútil.

Ele ficou detido sob os cuidados da Polícia Civil até a realização da audiência de custódia perante o Poder Judiciário. O terceiro detento, da mesma cela, também foi ouvido, na condição de testemunha, e depois levado de volta à penitenciária.

Publicidade

Tio Panda Adamantina
Nova Foto e Ótica
Cóz Jeans

Publicidade

Insta do Siga Mais