Polícia

Agente penitenciário acusado de feminicídio é transferido a Adamantina

Crime foi no domingo. Agente penitenciário matou a ex-companheira, a tiros, e ocultou o corpo.

Por: Da Redação atualizado: 30 de maio de 2019 | 21h23
Agente penitenciário preso nesta segunda-feira (27) em São Paulo chegou na noite de hoje (28) a Adamantina, onde deve prestar depoimento à equipe da DIG/DISE (Cedida). Agente penitenciário preso nesta segunda-feira (27) em São Paulo chegou na noite de hoje (28) a Adamantina, onde deve prestar depoimento à equipe da DIG/DISE (Cedida).

O agente penitenciário Tiago Pina, réu confesso do assassinato da ex-companheira Vanessa Nery Maciel, de 30 anos, ocorrido no último domingo (26) e preso na tarde desta segunda-feira (27) em São Paulo, já está na Cadeia de Adamantina.

Ele chegou a Adamantina na noite desta terça-feira (28) trazido pela equipe da Polícia Civil local, com agentes da DIG (Delegacia de Investigações Gerais) e DISE (Delegacia de Investigações Sobre Entorpecentes, que atuaram na investigação e esclarecimento do caso.

Preso em São Paulo, agente penitenciário, que é réu confesso, está aos cuidados da Polícia Civil em Adamantina (Cedida).

O acusado estava recolhido desde ontem na carceragem do 81º DP, na capital paulista, e agora deverá responder ao inquérito detido, por decisão do Poder Judiciário, que determinou sua prisão preventiva.

O caso

Segundo a Polícia Civil, Vanessa estava desaparecida desde as 17h de domingo (26), conforme relataram seus familiares. Ela saiu de casa e não retornou. Na segunda-feira (27) pela manhã o caso foi oficialmente comunicado à Polícia Civil, sendo registrado boletim de ocorrência de desaparecimento. Imediatamente as equipes da DIG/DISE iniciaram as investigações.

Vanessa foi morta pelo ex-companheiro com três tiros (Reprodução)

A vítima e o acusado tiveram um relacionamento por cerca de nove anos, e o rapaz – mesmo estando em outro relacionamento – não aceitava seu término. Ele esteve em Adamantina no fim de semana e essa circunstância foi determinante para que a Polícia Civil de Adamantina passasse a investigá-lo.

A Polícia Civil de Adamantina apurou que, no domingo, o rapaz chegou à sua casa, em Adamantina, por volta das 19h, onde tomou um banho apressado, limpou o carro com um aspirador de pó e em seguida viajou para São Paulo, para trabalhar na segunda-feira.

Esse comportamento chamou a atenção das equipes da DIG/DISE, que rapidamente oficiaram ao 81º DP, na capital paulista, para que fizessem a apreensão do celular e do veículo do suspeito. O agente ainda estava em horário de trabalho, na unidade prisional Belém 1, quando os policiais chegaram ao local e ele confessou o crime, informando que matou a ex-companheira a tiros e ocultou o corpo em uma estrada rural, em Adamantina (reveja).

Com a prisão do réu confesso, o próximo passo era descobrir a localização do corpo da vítima. A princípio o acusado não sabia explicar onde o havia deixado, mas depois forneceu informações que ajudaram na sua localização. Houve inclusive o emprego de videoconferência, onde foi entrevistado pela equipe da DIG/DISE e revelou detalhes, permitindo encontrar o cadáver. Ele confessou ter abandonado o corpo em meio a um canavial por volta das 18h do domingo.

Esclarecimento do crime se deu pela Polícia Civil de Adamantina, com as equipes da DIG/DISE (Arquiv0).

Poucas horas após ser preso, o corpo da vítima foi encontrado pelas equipes da DIG/DISE em meio a um canavial, por volta das 22h20, na altura do km 3 da Rodovia Plácido Rocha, que dá acesso ao bairro Lagoa Seca (reveja) . As equipes da Polícia Civil local fizeram uma ampla varredura que possibilitou sua localização e, posteriormente, o acionamento da Polícia Cientifica, para trabalhos de perícia. O corpo da vítima apresentava três perfurações por projéteis de arma de fogo.

O corpo de Vanessa foi removido pelo serviço funerário aos cuidados de peritos do Instituto Médico Legal (IML), velado durante esta terça-feira em Adamantina e sepultado às 16h, no Cemitério da Saudade. (Continua após a publicidade...)

Publicidade

Supermercado Godoy
Monalisa Adamantina
Clínica Savi
Tio Panda Adamantina

Publicidade

Daiane Mazarin Estética
JVR Segurança
Haddad
Rede Sete Supermercado

PM encontra cápsulas deflagradas

Em buscas realizadas na manhã desta terça-feira pela Polícia Militar de Adamantina, foram localizados objetos que podem ter relação com o crime, em uma área rural na Estrada 14, proximidades com a antiga CRERES, local da possível execução do crime.

Foram encontrados cinco estojos de munição calibre 380, cápsulas deflagradas e uma munição intacta, além de uma pulseira ou cordão, de material aparentando ser prata (reveja).

Polícia Militar localiza cápsulas deflagradas na região da Estrada 14 (Foto: Cedida/PM).

Com a localização desses materiais, amplia-se o cenário da dinâmica do crime, já que a execução teria ocorrido em um ponto da zona rural e o corpo da vítima dispensado em outro ponto, onde foi ocultado pelo assassino em meio a um canavial, na Rodovia Vicinal Plácido Rocha, altura do km 3. A distância entre esses dois locais tem cerca de 10 km.

Reconstituição do crime

Um inquérito, no âmbito da Polícia Civil, investiga o caso. A apuração é presidida pelo delegado Rodrigo Alabarse, titular da DIG. Ao final do inquérito, o caso será remetido ao Fórum da Comarca de Adamantina, onde deverá ser julgado. Laudos dos peritos da Polícia Científica e do IML deverão subsidiar as investigações.

O delegado Rodrigo Alabarse revelou no final da manhã desta terça-feira que poderá pedir a reconstituição dos fatos, para refazer toda a dinâmica do crime. Essa possibilidade ainda depende de autorização do acusado, já que a eventual reconstituição poderá produzir provas contra si mesmo.

O depoimento do preso e uma eventual reconstituição do crime podem esclarecer sobre esses dois cenários. Outro ponto, ainda de dúvida, é a maneira como a vítima foi abordada, sobretudo esclarecer se ela foi coagida a acompanhar o acusado.

Publicidade

Iogurtes Carolina

Publicidade

Cinema
Clinica Lu Applim

Publicidade

Insta do Siga Mais