Geral

Governo de SP lança licitação da operação de quatro presídios

Presídios vão operar no novo sistema de gestão compartilhada com a iniciativa privada.

Por: Portal do Governo de SP atualizado: 9 de setembro de 2019 | 11h05
A iniciativa privada será responsável pela manutenção da unidade prisional e também por serviços técnicos e de apoio nas áreas psicológica, médica, odontológica, psiquiátrica, assistencial, pedagógica, esportiva, social, material e trabalho, para o desenvolvimento e acompanhamento dos presos (Foto: Governo de SP). A iniciativa privada será responsável pela manutenção da unidade prisional e também por serviços técnicos e de apoio nas áreas psicológica, médica, odontológica, psiquiátrica, assistencial, pedagógica, esportiva, social, material e trabalho, para o desenvolvimento e acompanhamento dos presos (Foto: Governo de SP).

O governador João Doria lançou nesta sexta-feira (6) a licitação da operação compartilhada com a iniciativa privada de quatro unidades prisionais, que marca o início da modernização da gestão do sistema prisional paulista. As unidades estão em construção e serão entregues ainda este ano nas cidades de Gália (duas unidades), Aguaí e Registro, com um total de 3.292 vagas.

“São Paulo tem o maior sistema prisional do país. Nós temos 174 unidades prisionais, com 235 mil presos. Temos que aumentar a nossa capacidade prisional para o cumprimento de pena e ressocialização. Respeitamos o direito daqueles que cumprirem pena possam se ressocializar, trabalhar, estudar e ter a perspectiva de voltar à sociedade”, disse Doria.

O edital de licitação foi publicado neste sábado (7) para contratação de empresas especializadas. A previsão é que até o final do ano as unidades passem a operar no novo sistema. Os contratos de operação compartilhada podem ser de até de cinco anos. (Continua após a publicidade...)

Publicidade

Tio Panda Adamantina
Clínica Savi
Monalisa Adamantina
Supermercado Godoy

Publicidade

Daiane Mazarin Estética
Rede Sete Supermercado
JVR Segurança
Haddad

A iniciativa privada será responsável pela manutenção da unidade prisional e também por serviços técnicos e de apoio nas áreas psicológica, médica, odontológica, psiquiátrica, assistencial, pedagógica, esportiva, social, material e trabalho, para o desenvolvimento e acompanhamento dos presos.

A segurança externa das unidades e as escoltas continuarão sob responsabilidade do Poder Público, com os agentes de escolta e segurança penitenciária. Os agentes penitenciários também continuarão responsáveis pelas funções de diretor geral da unidade, diretor de segurança e disciplina, além de integrantes da Célula de Intervenção Rápida (CIR), responsável por intervir em casos de distúrbios, entre outras funções.

O Projeto de Operação Compartilhada está alinhado tanto com as prioridades e as políticas públicas do Estado, quanto com as formas e as estratégias de implantação de tais políticas.

“Daqui para frente, São Paulo cresce o seu sistema prisional por meio das parcerias público-privadas. Está sendo preparada para 2020 a concepção completa de PPP, desde a construção até a operação de novos presídios. Os dois principais objetivos da parceria público-privada é trazer o menor custo para o Estado na manutenção do sistema prisional e dar alternativas de reinserção social para o detento”, afirmou o vice-governador e secretário de governo, Rodrigo Garcia.

Publicidade

Iogurtes Carolina

Publicidade

Auto Doc

Publicidade

Cinema
Clinica Lu Applim

Publicidade

Insta do Siga Mais