Coronavírus

Presas produzem 316 mil máscaras de proteção facial na Penitenciária Feminina de Tupi Paulista

A cada três dias trabalhados na produção das máscaras, um dia de pena é descontado.

Por: Da Redação | Com informações do G1 atualizado: 27 de setembro de 2020 | 08h30
Trabalho mobiliza 15 presas da Penitenciária de Tupi Paulista e ainda não há previsão para o término da produção dos acessórios de proteção facial (Divulgação/SAP). Trabalho mobiliza 15 presas da Penitenciária de Tupi Paulista e ainda não há previsão para o término da produção dos acessórios de proteção facial (Divulgação/SAP).

Passados seis meses desde o início da quarentena da Covid-19 fixada pelo Governo do Estado de São Paulo, e das medidas iniciais de estímulo e depois de obrigatoriedade ao uso de máscaras de proteção facial pelos cidadãos, a Penitenciária Feminina de Tupi Paulista, em conjunto com outras unidades prisionais paulistas, contribuiu para a disponibilização desse acessório no mercado, sobretudo diante da grande demanda provocada pela pandemia e os riscos de transmissão do novo coronavírus.

Segundo a administração da unidade, a produção de máscaras pela Penitenciária Feminina de Tupi Paulista atingiu o total de 316.800 peças durante esse período de quarentena, de 1º de abril a 26 de setembro.

Pelas mãos das detentas foram confeccionadas 272.600 unidades de máscaras de proteção descartável manual de TNT e 44.200 peças de máscaras de proteção de malha branca.

A Penitenciária Feminina de Tupi Paulista é a única da região de Presidente Prudente com essa linha de produção. Na unidade tupiense, a produção das máscaras, iniciada em 1º de abril, se deu após adequações na oficina de costura, e seguidas todas as normas sanitárias.

O trabalho mobiliza 15 presas e ainda não há previsão para o término da produção dos acessórios de proteção facial.

(Divulgação/SAP).

Em âmbito estadual, o trabalho de produção de máscaras e outros acessórios pelos presos, para o enfrentamento à Covid-19, mobilizou pelo menos 288 reeducandos custodiados em dez presídios paulistas. Desde abril, segundo divulgou o portal do Governo do Estado de São Paulo, foram confeccionadas 5.879.862 máscaras (descartáveis e reutilizáveis, incluindo o modelo face shield), além de outros itens, como aventais e toucas.

Dentro e fora

A ação desenvolvida na Penitenciária Feminina de Tupi Paulista permitiu ampliar a oferta de máscaras para diversos setores da sociedade. A comercialização das máscaras, junto ao mercado, foi feita pela FUNAP - Fundação “Prof. Dr. Manoel Pedro Pimentel”, vinculada à Secretaria da Administração Penitenciária, e que desenvolve políticas públicas para a ressocialização dos detentos.

Dentro desses objetivos, a ação na penitenciária tupiense contribui para a recuperação social das presas, possibilitando oportunidades de melhores condições de vida no futuro retorno à sociedade, a partir da profissionalização no ofício da costura.

Por outro lado, a iniciativa também permite a remissão das penas e remuneração pelo trabalho. A remição acontece da seguinte forma: a cada três dias trabalhados, um dia de pena é descontado. Já a remuneração é de três quartos do salário mínimo, o equivalente a quase R$ 800. (Continua após a publicidade...)

Publicidade

Clínica Savi
Supermercado Godoy

Publicidade

JVR Segurança
Daiane Mazarin Estética
Rede Sete Supermercado

Destino das máscaras

As máscaras produzidas na Penitenciária Feminina de Tupi Paulista foram comercializadas pela FUNAP, para os seguintes órgãos:

Penitenciária Feminina de Tupi Paulista: 5.266 unidades.

Coordenadoria de Saúde do Sistema Penitenciário: 9.000 unidades;

Centro Integrado de Apoio Financeiro (Ciaf) da Polícia Militar do Estado de São Paulo: 24.000 unidades;

Coordenadoria de Unidades Prisionais da Região Oeste do Estado de São Paulo (Croeste):  30.000 unidades;

Penitenciária "Maurício Henrique Guimarães Pereira" (P2) de Presidente Venceslau: 3.300 unidades;

Penitenciária de Flórida Paulista: 6.300 unidades;

Penitenciária "Tacyan Menezes de Lucena" de Martinópolis: 6.000 unidades;

Centro de Detenção Provisória (CDP) "Tácio Aparecido Santana" de Caiuá: 2.300 unidades;

Penitenciária "ASP Adriano Aparecido de Pieri" de Dracena: 5.600 unidades;

Penitenciária de Lucélia: 8.400 unidades; e

Delegacia Seccional de Polícia de Presidente Prudente: 15.000 unidades. 

(Divulgação/SAP).

Publicidade

Tio Panda Adamantina

Publicidade

Cinema
Insta do Siga Mais