Cidades

Prisão é "máquina de fazer PCC", diz membro do comando da facção preso em Pacaembu

Interceptação telefônica é feita pela Policia Civil. Preso cumpre pena na Penitenciária de Pacaembu.

Por: Da Redação | Com informações do UOL atualizado: 2 de agosto de 2018 | 07h54
Detento da Penitenciária de Pacaembu é flagrado em interceptação telefônica realizada em investigação da Polícia Civil (Reprodução/G1). Detento da Penitenciária de Pacaembu é flagrado em interceptação telefônica realizada em investigação da Polícia Civil (Reprodução/G1).

"O sistema prisional é máquina de fazer PCC". A afirmação foi extraída de uma interceptação telefônica realizada pela Polícia Civil, onde Filipe Augusto Soares, conhecido como “Assassino” - preso na Penitenciária de Pacaembu – conversa com um comparsa identificado como “Canela”, conforme noticiado pelo UOL.
Segundo o portal, o telefonema revela que a cúpula do PCC (Primeiro Comando da Capital) considera as prisões brasileiras um ambiente propício para o recrutamento de novos integrantes para a facção criminosa. “Apesar de estar preso na Penitenciária de Pacaembu, “Assassino” chefia as ações da facção no estado do Espírito Santo usando um telefone celular”, diz o UOL.
O portal informou que a ligação foi interceptada pelos investigadores da Operação Echelon, no dia 2 de novembro de 2017. Segundo o UOL, a investigação concluiu que o grupo criminoso já possui cerca de 30 mil membros em todo o país. Em outro telefonema, ele chegou a admitir que "matou um estuprador" e colocou fogo em viaturas durante os ataques do PCC ocorridos no ano de 2006 no estado de São Paulo.
Ainda de acordo com o UOL, durante a conversa com “Canela”, a quem convida ser o "Geral do Sistema [chefe]" nos presídios capixabas, “Assassino” revela que existem 38 prisões no Espírito Santo sob o domínio do PCC.  "O alvo [Assassino] citou para o irmão [comparsa] Canela que ele terá o controle do sistema prisional inteiro [no estado] e que se precisar o advogado chegará na hora", revela a transcrição da conversa feita pelos investigadores da Polícia Civil de SP.
Segundo o UOL, o PCC foi fundado em 31 de agosto de 1993, na Casa de Custódia de Taubaté (SP), e chega aos seus 25 anos. A maioria dos integrantes da cúpula do PCC está detida, a exemplo do principal líder, Marcos Willians Herbas Camacho, o “Marcola”, que cumpre pena Penitenciária P2 de Presidente Venceslau.

Estrutura prisional em Pacaembu

Pacaembu tem uma penitenciária com capacidade para 873 detentos e uma população carcerária de 2.076 presos, segundo informa o site da Secretaria da Administração Penitenciária (SAP). São 1.203 presos acima da capacidade.
A Penitenciária, em regime fechado, está localizada às margens da rodovia Comandante João Ribeiro de Barros (SP-294). Do outro lado pista há um Centro de Progressão Penitenciária com capacidade para 686 presos, e uma população de 1.767 detentos, sendo 1.081 acima da capacidade.
Outras duas unidades prisionais estão em construção, definidas como Centro de Detenção Provisória, com capacidade para abrigar 847 em cada estrutura. As instalações estão sendo construídas na rodovia vicinal Pacaembu/Mirandópolis.
 

Publicidade

Clinica Lu Applim
Cinema

Publicidade

Insta do Siga Mais