Cidades

Nenhuma empresa participa da licitação para o transporte coletivo urbano de passageiros

Licitação para transporte coletivo é declarada deserta. Nova data deverá ser marcada.

Por: Da Redação atualizado: 1 de julho de 2020 | 10h38
Sem a participação de empresas na licitação, situação do transporte coletivo urbano é indefinida em Adamantina (Arquivo/Siga Mais). Sem a participação de empresas na licitação, situação do transporte coletivo urbano é indefinida em Adamantina (Arquivo/Siga Mais).

A licitação pública (Concorrência Pública Nº 01/2020), para contratar novo serviço de transporte coletivo urbano de passageiros em Adamantina, aberta pela Prefeitura local e encerrada no dia 19 de junho, foi declarada deserta.

A informação foi destaque na edição do jornal Diário do Oeste da última sexta-feira (26). Sem a participação de interessados – nem mesmo a empresa que opera os serviços na cidade – outra data deve ser marcada pela Prefeitura, em nova tentativa de atrair empresa do setor para que opere o transporte coletivo urbano na cidade.

Segundo edital da Concorrência Pública Nº 01/2020, A licitação prevê tarifa máxima de R$ 3,50 no primeiro ano, a ser paga pelo usuário, com reajustes a cada doze meses, o que deverá ser justificado pela empresa mediante apresentação de planilhas onde comprove o aumento nos custos de operação do serviço. (Continua após a publicidade...)

Publicidade

Clínica Savi
Supermercado Godoy

Publicidade

Rede Sete Supermercado
JVR Segurança
Daiane Mazarin Estética

No edital de licitação estão previstas duas linhas (Jardim Bela Vista/Jardim Adamantina – ida e volta) e Parque do Sol/Jardim Europa – ida e volta), que têm novo itinerário (mais detalhes abaixo). De acordo com o edital definido pela Prefeitura, as linhas deverão funcionar de segunda a sexta-feira, das 6h30 às 8h, das 11h às 13h e das 16h30 às 19h; aos sábados, domingos e feriados das 6h30 às 8h e das 11h às 13h.

A empresa que atualmente realiza os serviços alega que houve queda ao longo dos últimos anos, no número de usuários, tornando sua operação deficitária, nos termos do contrato vigente.

Uma medida adotada pela Prefeitura local, prevista em lei e que consta do edital, é o subsídio tarifário (auxílio) que o município poderá oferecer para viabilizar os serviços, que pode chegar a R$ 50 mil mensais. Esse aporte tem sido oferecido por diversos municípios, como incremento para atração de empresas interessadas na exploração do serviço. Para saber mais, acesse aqui.

Publicidade

Clinica Lu Applim
Cinema

Publicidade

Insta do Siga Mais