Cidades

Com livros em árvores, professora estimula leitura em Adamantina

Iniciativa saiu da calçada da casa da professora e começou a ocupar espaços públicos pela cidade.

Por: Da Redação atualizado: 10 de julho de 2020 | 13h26
Ana Luiza Cordeio com as árvores de livros, na Avenida Rio Branco (Foto: Siga Mais). Ana Luiza Cordeio com as árvores de livros, na Avenida Rio Branco (Foto: Siga Mais).

Uma iniciativa voluntária, de incentivo à leitura, tem chamado a atenção entre os moradores de Adamantina. A professora Ana Luiza Cordeiro criou a Árvore de Livros. A ação começou em abril, na calçada de sua casa, e ganhou novos espaços na cidade.

Ana Luiza é professora e atua na sala de leitura da Escola Estadual Helen Keller, que a partir deste ano passou a oferecer ensino em período integral. Proativa, dinâmica e com projetos de estímulo à leitura, na Escola, foi freada com a chegada da pandemia do novo coronavírus (Covid-19).

Em casa, com atividades remotas, não se prendeu às limitações trazidas pela quarentena. Após cumprir o cronograma de atividades escolares, à distância, relaxava no final do dia sentando em cadeiras na calçada, em frente na sua casa, um hábito muito comum nas pequenas cidades.

A idealizadora, professora Ana Luiza Cordeiro (Cedida/Acervo Pessoal).

Consigo, a professora levava um pequeno acervo, reunido a partir daquilo que dispunha na sua casa, inclusive dos próprios filhos, e começou a pendurar os livros na árvore, na frente do imóvel.

A iniciativa começou a despertar a atenção das pessoas que passavam pelo local e vizinhos, que começaram a se aproximar e ter contato com a experiência. Questionada, Ana Luiza orientava o público, que poderia ter acesso aos livros e leva-los, colocando assim seu próprio acervo à disposição. Sensibilizada, a vizinhança também começou a fazer doações.

Depois das primeiras experimentações a ideia inicial se fortaleceu e inspirou a professora a ampliar a proposta, o que se deu no próprio bairro (região do Parque Itapuã e Vila Joaquina). Com a ajuda de seu filho, foram produzidos cartazes, produzidos à mão, fixados em postes e em alguns estabelecimentos do entorno. Isso gerou uma nova procura. “As pessoas começaram a parar os carros, descer e retirar os livros”, lembra.

Mateus Mantovani, 7 anos, foi o primeiro a retirar e é assíduo na árvore. A avó dele mora na rua da casa da professora Ana Luiza (Cedida/Acervo Pessoal).

Livros são pendurados em árvores (Cedida/Acervo Pessoal).

Depois desse laboratório inicial, em frente à sua casa, a iniciativa começou sua itinerância e ficou por alguns dias no Parque dos Pioneiros, em uma região com pouco impacto pelas obras que acontecem no lugar. Lá, a ação ganhou mais visibilidade e novas adesões entre interessados em retirar e doar livros.

Ana Luiza destaca que a iniciativa tem despertado a atenção a atraído pessoas de todas as idades, entre crianças e adultos, que encontram uma publicação com a qual se identificam, e retiram para leitura.

Novo local

Na semana passada a professora levou seu projeto a um novo local, desta vez em frente ao Residencial Aguapeí, na Avenida Rio Branco, uma região de grande circulação de veículos e pedestres.

Nessa região, Ana Luiza encontrou uma sequência de árvores de pequeno porte, o que facilita pendurar os livros, bem como o acesso, em especial pelas crianças. “Elas mesmas retiram e ficam encantadas”, comemora.

A escritora Geni Omin (Geni Pereira) conhece a iniciativa (Cedida/Acervo Pessoal).

O pequeno Enry colhendo livros (Cedida/Acervo Pessoal).

 Famílias têm contato com o livro (Cedida/Acervo Pessoal).

Mãe e filha na Árvore de Livros (Cedida/Acervo Pessoal).

Agora, na atual semana, ela permanece no mesmo local, à espera daqueles que retiraram os livros semana passada e que se dispuseram a devolvê-los, bem como a levar novas doações. (Continua após a publicidade...)

Publicidade

Supermercado Godoy
Clínica Savi

Publicidade

JVR Segurança
Rede Sete Supermercado
Daiane Mazarin Estética

Estímulo à leitura e diálogo em casa

Nesse curto intervalo, Ana Luíza já comemora a iniciativa. Ela reforça que a ação foi criada para estimular a leitura, sobretudo nesse período de pandemia, onde as escolas e a biblioteca municipal tiveram suas atividades presenciais suspensas.

Ela também pontua outro alcance da medida: estimular o diálogo entre familiares. Segundo a professora, o período de pandemia tem feito as pessoas ficarem muito restritas ao celular, redes sociais e televisão, com poucas oportunidades de estímulos ao diálogo e partilha. “Com as Árvores de Livros, a pessoas fazem a retirada e chegam em suas casas contando sobre a novidade, sobre a árvore, além de se verem estimuladas a fazer a leitura”, reforça.

A pequena Rafaela em contato com os livros (Cedida/Acervo Pessoal).

Árvore de Livros, na Avenida Rio Branco (Cedida/Acervo Pessoal).

Um terceiro aspecto positivo da iniciativa é o exercício do desprendimento, já que as pessoas que retiram livros são convidadas a também fazerem doações, a partir do acervo que têm em suas casas. “Não precisa devolver o livro. Mas as pessoas são estimuladas a doarem”, completa.

Na prática, a ideia semeada pelas Árvores de Livros pode gerar frutos em crianças e adultos, provocados pelo estímulo à leitura.

Cuidados na pandemia

A idealizadora do projeto não se descuidou de todas as recomendações das autoridades de saúde, nesse período de pandemia. Ela destaca que os livros são higienizados, um a um, e há álcool gel nos locais onde a ação acontece. A professora também orienta que os interessados precisam utilizar máscaras de proteção facial, observar distanciamento e evitar aglomerações.

Doações

O que a professora Ana Luiza mede, aos incentivadores da iniciativa, é que promovam doações de livros. Ela pede que sejam livros em bom estado de conservação e que possam ajudar as pessoal, sejam da literatura, infantis e autoajuda, entre outros. Ela também destaca que não há nenhuma limitação ou restrição a determinada linha literária ou escritor.

Delivery

Outra ação desenvolvida por iniciativa da professora é fazer a entrega e retirada de livros nas casas dos seus alunos, entre aqueles que cultivam o hábito da leitura. Ela mobiliza seus próprios meios e faz o delivery. Nesse serviço, dirigido aos estudantes da Escola Helen Keller, são mobilizados livros do acervo da própria unidade escolar

Francisco e a professora Ana Luiza (Cedida/Acervo Pessoal).

Livros são pendurados em árvores (Cedida/Acervo Pessoal).

Árvore de Livros, na Avenida Rio Branco (Cedida/Acervo Pessoal).

.

Publicidade

Cinema
Clinica Lu Applim

Publicidade

Insta do Siga Mais