Tecnologia

Meu WhatsApp foi “clonado”: e agora?

Texto reúne dicas e orientações de segurança para quem teve o WhatsApp clonado.

Carlos Schults | carlos@carlosschults.net Colunista
Carlos Schults | carlos@carlosschults.net
(Imagem: Christian Wiediger/Unsplash). (Imagem: Christian Wiediger/Unsplash).

Conforme explicamos no artigo da semana passada, “clonagem” de WhatsApp é um termo tecnicamente incorreto. O que realmente acontece é um acesso indevido à conta do usuário, o qual, por um descuido ou desconhecimento, compartilha o código de validação do WhatsApp com um indivíduo mal-intencionado.

No mesmo artigo nós ensinamos o que fazer para se proteger desta ameaça. São dois passos muito simples:

1.       Jamais compartilhe seu código de confirmação do WhatsApp; e

2.       Ative a confirmação em duas etapas.

Porém, é possível você ser vítima do golpe antes de ter tido a oportunidade de ativar a confirmação em duas etapas. Neste caso, o que deve ser feito? Isso é o que veremos no artigo de hoje.

Informe parentes e amigos

Se sua conta foi acessada por golpistas, o primeiro passo é divulgar isso para o maior número de pessoas possível. Utilize seu Facebook, Instagram ou outras redes sociais para informar aos seus amigos e familiares que não devem responder caso recebam uma mensagem supostamente sua pedindo por dinheiro. Se for necessário, telefone para os amigos mais próximos e familiares explicando a situação. Caso alguma pessoa já tenha feito a transferência, é importante tomar as devidas providências: informe a instituição bancária para que a transação seja cancelada, e procurar a Polícia Civil para abertura de Boletim de Ocorrência.

Recupere sua conta

Para recuperar sua conta, ative novamente a conta em seu celular, informando o código que será enviado por SMS para seu número. Lembre-se: não compartilhe o código com ninguém!

Uma conta do WhatsApp só pode estar ativa em um aparelho por vez; portanto, ao ativá-la em seu aparelho, ela será automaticamente desativada no aparelho do golpista. Se for requisitado para que você digite o PIN (senha) da confirmação em duas etapas, faça isso. Porém, caso você não tenha ativado a confirmação, eu tenho más notícias: isso significa que o golpista fez isso. E agora?

A recomendação oficial do WhatsApp é de que você deve aguardar sete dias e então tentar ativar a sua conta novamente. Segundo a empresa, mesmo com a confirmação em duas etapas ativada, é possível recuperar sua conta após os sete dias, apenas informando o código recebido por WhatsApp.

O golpista não pode ver suas mensagens anteriores

Vale lembrar que o WhatsApp possui uma funcionalidade chamada “criptografia de ponta-a-ponta.” Isso significa que cada vez que você envia uma mensagem, ela é criptografada—isto é, “embaralhada”, para que seja impossível de compreender—e só pode ser descriptografada no aparelho do receptor.

Portanto, se algum golpista invadir sua conta, ele ou ela não terá acesso às suas mensagens antigas. Mesmo que você tenha compartilhado informações sigilosas—especialmente dados bancários—tais informações estarão fora de alcance do golpista.

Recapitulando as recomendações de segurança

Baseado no que você aprendeu com este artigo e o artigo anterior, quais são as recomendações de segurança para evitar a “clonagem” de WhatsApp?

Não tem muito segredo:

1.       ATIVE A CONFIRMAÇÃO EM DUAS ETAPAS. E o fazer isso, informe um e-mail válido, que você usa regularmente. Não use e-mail do trabalho, pois você perderá acesso ao sair do emprego. Prefira seu e-mail pessoal, de provedores como Gmail, Outlook, etc.

2.       JAMAIS COMPARTILHE SEU CÓDIGO DE ATIVAÇÃO RECEBIDO POR SMS. Como vimos hoje, mesmo que a confirmação em duas etapas esteja ativada, é possível ter acesso à conta após sete dias apenas com o código de ativação.

Indo mais longe, jamais compartilhe informações pessoais a pedido de ninguém no WhatsApp. Por exemplo, o seu banco jamais pedirá sua senha, número de conta ou outras informações sigilosas por WhatsApp.

Além disso, fique atento com supostas empresas usando uma linguagem excessivamente informal, ou com erros de português. São sinais de que aquela conta pode não pertencer à empresa que afirma.

Conclusão

Infelizmente, a maior parte dos problemas de segurança acontecem não por uma falha da tecnologia, e sim por descuidos dos usuários. Como você viu nesse artigo e no anterior, é fácil se proteger do roubo de WhatsApp, bastando para isso ter alguns cuidados básicos.

Mas não é possível tomar esses cuidados caso você não esteja ciente deles. Por isso eu peço: ajude seus amigos e familiares a se protegerem. Compartilhem esse artigo para que essas dicas atinjam o maior número possível de pessoas.

Agradeço pela sua leitura, e até a próxima.

Carlos Shcults. Consultor em tecnologia da informação, desenvolvedor e autor técnico. E-mail: carlos.schults@gmail.com.

Publicidade

Tio Panda Adamantina

Publicidade

Insta do Siga Mais
Cinema