Tecnologia

Clonagem de WhatsApp? Saiba como se proteger

Artigo explica o que é a clonagem de WhatsApp, como funciona e o que fazer ser feito para não se tonar a próxima vítima.

Carlos Schults Colunista
Carlos Schults
(Foto de Rachit Tank no Unsplash) (Foto de Rachit Tank no Unsplash)

Não há dúvidas: o WhatsApp veio para ficar. O aplicativo, fundado em 2009 e comprado pelo Facebook em 2014, caiu no gosto dos brasileiros e hoje pode ser considerado o meio padrão de comunicação por muitas pessoas, devido aos recursos que proporciona e à sua facilidade de uso.

Infelizmente, nada é 100% seguro e o WhatsApp não foge à regra. Pessoas mal intencionadas podem clonar o seu WhatsApp a fim de realizarem atividades fraudulentas (pedindo transferências em dinheiro para pessoas próximas fingindo ser você, por exemplo.)

No artigo de hoje, veremos o que é a clonagem de WhatsApp, como ela funciona, e o que fazer para evitar ser a próxima vítima.

O que é a “clonagem de whatsapp” e como ela funciona?

“Clonagem de WhatsApp” pode soar como algo que requer conhecimentos avançados de tecnologia. Não é. Para começo de conversa, tecnicamente falando, não existe realmente clonagem, já que é praticamente impossível ativar a mesma conta do WhatsApp em dois aparelhos.

O que realmente acontece é que uma pessoa mal intencionada consegue ativar a sua conta no aparelho dela. A partir daí, ela tem acesso aos seus contatos e pode mandar mensagens se passando por você. Como isso aconteceu?

Infelizmente, na maioria das vezes, a clonagem é possibilitada por descuidos por parte do próprio usuário, assim como muitos dos problemas de segurança digital. Como você deve se lembrar, ao instalar o aplicativo em seu celular, você recebe por SMS um código numérico que deve então digitar no WhatsApp para ativar a conta naquele aparelho. Muitos golpistas, através da famosa Engenharia Social, conseguem ter acesso ao código de confirmação de terceiros, podendo ativar a conta delas em seu próprio aparelho.

Fica o aviso: em hipótese alguma, compartilhem esse código com terceiros.

Entendendo a confirmação em duas etapas e como ela ajuda

A primeira barreira de proteção contra invasões é o cuidado de evitar que o código de confirmação do WhatsApp caia em mãos erradas. Porém, apenas essa barreira pode não ser suficiente. Para ter confiança que sua conta não será invadida, é imprescindível que você ative a confirmação em duas etapas.

Já expliquei em outro artigo sobre a importância da confirmação em duas etapas, também conhecida como autenticação em dois fatores. No WhatsApp, ela funciona de maneira parecida: ao registrar seu aparelho, além do código de informação enviado por SMS, você precisará informar um PIN que seis dígitos que você mesmo define.

Ativando a confirmação em duas etapas

Veja agora como é fácil ativar a confirmação em duas etapas.

Clique no menu de três pontos, no canto superior direito da tela, e então clique em “Configurações.” Na tela de configurações, clique em “Conta”:

Depois, clique em confirmação de duas etapas:

Na próxima tela, clique em ativar:

A seguir, você terá que criar um PIN (uma “senha”) de 6 dígitos. Evite coisas como datas de aniversário ou outras informações pessoais, que podem ser facilmente descobertas.

Digite o PIN e clique em avançar. O aplicativo pedirá para você digitar o PIN mais uma vez. Digite novamente e clique em “avançar.” Na próxima tela, o aplicativo pede um endereço de e-mail:

Não é obrigatório adicionar um e-mail, porém é altamente recomendável que você o faça. Cadastrar um endereço de e-mail lhe permite redefinir seu PIN caso você o esqueça. Algumas dicas com relação ao e-mail. Primeiro, use um endereço de e-mail válido, que você realmente acesse. Procure evitar usar um e-mail de trabalho ou de instituições de ensino; você não quer perder acesso ao seu PIN por ter mudado de emprego ou terminado a faculdade, quer?

Após digitar o e-mail e clicar no botão “Avançar”, você precisará confirmá-lo. Depois de digitar o e-mail e clicar em “Avançar” pela segunda vez, você verá a tela de confirmação, informando que a confirmação em duas etapas foi ativada com sucesso:

Agora sua conta está protegida pela confirmação em duas etapas. Quando você—ou outra pessoa—tentar ativar o seu WhatsApp em qualquer aparelho, precisará digitar o PIN. Nem é preciso dizer que você não deve divulgar seu PIN para terceiros, em hipótese alguma.

Você poderá a qualquer momento mudar o seu PIN ou o endereço de e-mail, caso tenha cadastrado um, acessando essa mesma tela. Também tenha em mente que o WhatsApp vai pedir para você digitar seu PIN de vez em quando, para evitar que você se esqueça dele. Não tem como desativar essa função. Embora pode ser meio chato, é extremamente útil.

Conclusão

Se tornar vítima de “clonagem” de WhatsApp seria um pesadelo para a maioria dos brasileiros, visto que o app já se tornou o meio de comunicação padrão no país.

No artigo de hoje, você aprendeu que este acesso não autorizado acontece na maioria das vezes por descuido da própria vítima, que fornece o código de confirmação do WhatsApp para golpistas. Você também aprendeu como é fácil se proteger: basta ativar a confirmação em duas etapas.

Mas o que você fazer caso você já tenha caído no golpe? Isso é o que veremos no artigo da próxima semana.

Obrigado pela leitura e até a próxima!

Carlos Shcults. Consultor em tecnologia da informação, desenvolvedor e autor técnico. E-mail: carlos.schults@gmail.com.

Publicidade

Cinema

Publicidade

Insta do Siga Mais