Opinião

O que é zumbido? Zumbido tem tratamento?

No Dia Mundial da Audição, 3 de março, um alerta sobre a saúde auditiva: zumbidos.

Anna Caroline S. de Oliveira Gasparini | Fonoaudióloga Colunista
Anna Caroline S. de Oliveira Gasparini | Fonoaudióloga
O que é zumbido? Zumbido tem tratamento?

Para celebrar o Dia Mundial da Audição, comemorado anualmente em 3 de março, vamos conversar sobre uma queixa auditiva pertinente nos dias atuais, o zumbido, pois é cada vez mais comum pessoas relatando que sofrem com sua ocorrência. No país, mais de 40 milhões de brasileiros têm zumbido, sendo que 22% são paulistanos. É mais comum que a asma, diabetes e surdez.

Para entender um pouco mais sobre essa queixa tão constante, primeiro devemos entender que o zumbido é um som que as pessoas escutam dentro dos seus ouvidos, especialmente nos momentos de silêncio, sendo os mais comuns parecidos com apitos, chiados, ruído de chuva ou cachoeira (Oiticica, Bittar, 2015).

O zumbido pode trazer muitas consequências para aqueles indivíduos com o sintoma crônico e incômodo frequênte, pois pode acarretar em dificuldades para dormir, irritabilidade e até mesmo depressão por muitas vezes não encontrarem informações sobre formas de tratamento ou até mesmo por não saberem quais profissionais procurar.

Vale ressaltar que o zumbido não é uma doença e sim um sintoma, podendo ser causado por diversos motivos não significando necessariamente que a pessoa tem uma perda de audição (Baguley, McFerran, Hall, 2013), pois a poluição sonora, exposição ao ruído no trabalho, hábitos alimentares não saudáveis, uso de medicamentos ototóxicos, são alguns dos fatores que também podem agredir os ouvidos e ocasionar o zumbido.

Este sintoma tem diferentes características para cada pessoa. As mais comuns a serem observadas pelos individuos são: a frequência com que ocorre: contínuo ou intermitente; a localização: se em um ou nos dois ouvidos, ou até mesmo na cabeça como relatam algumas pessoas; se o zumbido sempre tem o mesmo som ou vários tipos de sons; os fatores que agravam ou aliviam o zumbido; e se apresentam algum outro sintoma como tontura, perda de audição e insônia. Conhecer melhor como este zumbido é caracterizado facilita o diagnóstico e desta forma, o tratamento mais adequado.

A faixa etária mais acometida por zumbido é em indivíduos com mais de 60 anos (Teixeira et.al., 2016) e, portanto, essa população merece maior atenção, pois além das alterações decorrentes do envelhecimento, das dificuldades auditivas que levam ao isolamento social, o zumbido pode contribuir para aumentar a ansiedade e depressão em idosos.

Sendo assim, é de extrema importância procurar ajuda profissional do fonoaudiólogo, do médico otorrinolaringologista, para uma avaliação já no início dos sintomas, pois desta forma pode-se restabelecer a qualidade de vida e previnir a piora do ouvido, imediatamente. 

Anna Caroline S. de Oliveira Gasparini. Fonoaudióloga e mestre em fonoaudiologia. Especialista em audiologia. (CRFa 2 – 19952). Contato: @centroauditivogasparini.

Publicidade

Shiba Sushi Adamantina
P&G Telecomunicações
Cóz Jeans

Publicidade

Insta do Siga Mais