Memória

Observações cotidianas: o Profeta Gentileza

Um breve relato sobre José Datrino, o Profeta Gentileza.

Tiago Rafael | Professor, historiador e gestor ambiental Colunista
Tiago Rafael | Professor, historiador e gestor ambiental
José Datrino, o Profeta Gentileza (Reprodução). José Datrino, o Profeta Gentileza (Reprodução).

 "Nós que passamos apressados / Pelas ruas da cidade / Merecemos ler as letras e as palavras de gentileza / Por isso eu pergunto a você no mundo / Se é mais inteligente o livro ou a sabedoria / O mundo é uma escola / A vida é um circo "Amor" / palavra que liberta / Já dizia o profeta"

Gentileza – Marisa Monte

* * *

Todos os dias em virtude dos atropelos cotidianos, passamos por este ou aquele espaço e nos deparamos com alguns personagens que acabam marcando a história destas localidades. Este é o caso de José Datrino, também conhecido como “Profeta Gentileza”, o criador da frase: “Gentileza gera gentileza”.

Em uma certa reunião em meu local de trabalho apresentávamos a música “Gentileza” de Marisa Monte, e por curiosidade alguns dos colegas relataram que o personagem central da música, o “Profeta Gentileza”, era de nossa região, da cidade de Mirandópolis. Mas que depressa comecei a procurar referências sobre ele. Para minha surpresa, era tudo verdade. E até fui a Mirandópolis para saber um pouquinho mais.

(Reprodução).

José Datrino, mais conhecido como Profeta Gentileza, foi um pregador urbano brasileiro, que se tornou conhecido por fazer inscrições nos pilares do Viaduto do Gasômetro, no Rio de Janeiro. Andava pela Zona Central com uma túnica branca e longa barba oferecendo flores as pessoas que por lá transitavam.

(Reprodução).

Sua trajetória se iniciou após a tragédia do Gran Circus Norte-Americano, ocorrida em 17 de dezembro de 1961, em Niterói-RJ. Datrino alegando ouvir “vozes astrais” decide largar tudo e partir para o local onde ocorrera tal incidente, iniciando desde então a sua trajetória como pregador.

Na década de 1980, Gentileza começa a pintar as 56 pilastras do Viaduto do Gasômetro, que vai do Cemitério do Caju até o Terminal Rodoviário do Rio de Janeiro, numa extensão de aproximadamente 1,5 km. Obras que atualmente estão tombadas como patrimônio cultural.

Gentileza, faleceu aos 79 anos em 28 de maio de 1996 em Mirandópolis-SP, onde está sepultado. No entanto, o seu legado ainda se perpetua.

(Foto: Tiago Rafael).(Foto: Tiago Rafael).

- Música: Gentileza – Gonzaguinha (1980).  Conta a trajetória do Profeta Gentileza:    

 

- Música: Gentileza – Marisa Monte (2000). Uma homenagem póstuma ao Profeta Gentileza, tendo em vista que suas inscrições nos viadutos estavam sendo vandalizadas:

   

- ONGs foram fundadas nas cidades de Conselheiro Lafaiete-MG e Mirandópolis-SP evocando as ideias do Profeta.

- Em 2001, a Escola de Samba Acadêmicos do Grande Rio o homenageou em seu samba-enredo.

- Em 2009, o ator Paulo José o interpretou na novela Caminho da Índias.

- Além disso, diversos pesquisadores se dedicaram a estudar os versos de Gentileza gerando vários trabalhos acadêmicos e documentários.

Enfim, por aqui coube relatar um pouquinho da trajetória de “Gentileza”. E em tempos obscuros cabe a singela interrogação: Qual foi a sua última gentileza?

Tiago Rafael dos Santos Alves

Historiador – 0000486/SP

Membro correspondente da ACL e AMLJF

Publicidade

Tio Panda Adamantina
Insta do Siga Mais

Publicidade

Energisa