Memória

Observações cotidianas: A Praça Dep. José Costa

Um breve relato sobre o Jardim da Estação Ferroviária, a Praça Dep. José Costa.

Tiago Rafael | Professor, historiador e gestor ambiental Colunista
Tiago Rafael | Professor, historiador e gestor ambiental
Praça José Costa (Foto: Siga Mais) Praça José Costa (Foto: Siga Mais)

“A mesma praça, o mesmo banco, as mesmas flores, o mesmo jardim...”

Ronie Von – A Praça (trecho)

Comp: Carlos Eduardo Corte Imperial

* * *

Recentemente em uma troca de mensagens com meu amigo Acácio Rocha, um leitor pontuou algo interessante sobre um dos espaços da terrinha, a Praça José Costa, popularmente conhecida como Jardim da Estação.

Me recordo que quando criança, tirei algumas fotos no espaço da gruta. Acredito que muitos moradores também devam ter! Em especial os recém-casados, recém-batizados, etc., era (e é) algo muito comum por aqui.

Por incrível que pareça, este espaço, neste ano, está entrando para o rol dos sexagenários da cidade, completará 60 anos. Haja vista que ela fora concluída em fins de 1961, na Gestão, do então Prefeito, Antonio Cescon.[1]

Placa inaugural, de 1961 (Foto: Leandro Colucci). 

Como já mencionado, tal espaço leva o nome do Dep. José Costa[2], “tido pelos políticos da época como um benfeitor da cidade”. E sobre isso, já escrevi por aqui, e penso que não nos cabe entrar no mérito desta questão. Aos que não sabem da história, revejam aqui.

Ao longo de todos esses anos, a Praça José Costa também já foi alvo de algumas “pendengas”, como aquela do “busto do Padre Aquino”. Quando por questões políticas locais, decidiram “arrancar de tal espaço, a estátua do religioso. Da mesma forma, para quem não sabe da história, vale a pena ver também (reveja aqui).

Um dos bustos, do Cônego João Baptista de Aquino (Foto: Siga Mais)

Além de contar com o busto que homenageia o Cônego João Batista de Aquino[3], esta também possui um outro, que é alusivo ao Sr. Ihity Endo, que fora um dos representantes da Colônia Japonesa da terrinha.

E por falar na Colônia Japonesa, é evidente a sua presença em nosso município, o que também se fez presente em um dos espaços de tal Praça, ou seja, na gruta (ou fonte), que traz ares nipônicos ao local com sua arquitetura típica. Construção que teve o apoio do Sr. Kanematsu Munemassa, conforme placa alusiva no local.

Na praça, placa comemorativa ao centenário da imigração japonesa (Foto: Acervo do Autor).

 Deste modo, vale lembrar que recentemente, em meio às comemorações do Centenário da Imigração Japonesa para o Brasil, a referida Praça também foi um dos palcos de tamanha homenagem na terrinha.

Praça é referência à história e memória de Adamantina (Foto: Leandro Colucci).

 Por fim, além de todos os aspectos históricos e culturais, é importante salientar que a comunidade adamantinense se identifica muito com este espaço. O que se reflete nas “cobranças” quando “isto ou aquilo” não está nos ditos “conformes”. Assim, nos cabe apenas o desejo de que a Praça José Costa continue gerando mais e mais histórias ao longo dos próximos anos! Que assim seja!

Tiago Rafael dos Santos Alves

Historiador – 0000486/SP

Membro correspondente da ACL e AMLJF



[1] Conferir as Leis Municipais de nº 595 e 620 de 30/06/1961 e 23/12/1961 – Que versam sobre a abertura de Créditos Especiais de Cr$ 900.000,00 e Cr$ 80.000,00 para construção do Jardim da Estação e da Gruta Luminosa, respectivamente.

[2] Conferir a Lei nº 1.126 de 25/02/1972 – Passa a denominar de Praça Dep. José Costa os Jardins defronte à Estação Ferroviária.

[3] Conferir Lei de nº 698 de 19/09/1963 – Que dispõe sobre a autorização para colocação do busto do Cônego João Batista de Aquino no Jardim da Estação.

Publicidade

Insta do Siga Mais
Tio Panda Adamantina

Publicidade

Energisa