Memória

Café com ferrovias e lembranças – Parte II: A volta do trem

Um breve relato sobre a possível reativação da malha ferroviária à nossa região.

Tiago Rafael Colunista
Tiago Rafael
(Foto: Siga Mais). (Foto: Siga Mais).

“Ói, ói o trem, vem surgindo de trás das montanhas azuis, olha o trem / Ói, ói o trem, vem trazendo de longe as cinzas do velho éon / Ói, já é vem, fumegando, apitando, chamando os que sabem do trem / Ói, é o trem, não precisa passagem nem mesmo bagagem no trem / Quem vai chorar, quem vai sorrir? / Quem vai ficar, quem vai partir? / Pois o trem está chegando, 'tá chegando na estação / É o trem das sete horas, é o último do sertão, do sertão / Ói, olhe o céu, já não é o mesmo céu que você conheceu, não é mais [...]”

O trem das 7 – Raul Seixas

* * *

Em meu último texto acabei destacando o Deputado José Costa, personagem que nomeia o Jardim da Estação ferroviária. Pois bem, ainda falando de ferrovias, na mesma semana ouvi por aqui e ali, da “boca de alguns parlamentares locais”, que empresa Rumo Logística assumiu a concessão da malha paulista. Mas o que isso quer dizer?

Parece que o ramal Bauru, Marília, Tupã, Osvaldo Cruz, Adamantina, Dracena e Panorama poderá ser reativado. Como se sabe, o assunto “reativação” não é novo. E isso envolve grandes investimentos, recuperação da malha ferroviária, entre tantos outros fatores a serem levados em consideração.

Sabemos que, a história da terrinha e seu dito “progresso”, sempre foram atreladas aos trilhos da ferrovia e as ações de seus representantes na região. Ostentar a chegada do trem, na década de 1950, era encarado pelos políticos e aliados, como um símbolo de uma administração “pujante”. E isso se concretizava, com o fato de ser “a ponta dos trilhos”, pois acreditava-se que, devido a tal situação, o município teria “maior desenvolvimento” (o que ocorreu por aqui!).

Pois bem, em meu “segundo texto” (veja aqui) pelo Portal Siga Mais, a cerca de três anos atrás, relatei como alguns símbolos desse tal “progresso” de um passado não tão distante, diga-se todo o aparato ferroviário ainda presente por aqui, foram simplesmente deixados de lado nos últimos anos. Basta dar uma breve passada pela linha férrea.

Conforme mencionei, isso foi a cerca de três anos, e já tínhamos uma clara situação de “abandono” da referida malha ferroviária, e que hoje, já perdura cerca de 20 anos, tanto por aqui, como nos municípios onde tais ramais se fazem presentes. Talvez a pergunta da vez fosse aquela do José... E agora? Confesso que, depois de tando falatório sobre a tal reativação, “principalmente em ano eleitoral”, eu sigo com aquele verso popular: “Só acredito, vendo!” (Mas não custa acreditar!)

 

Enfim, sabemos o impacto significativo que isso poderá ter em todos os setores e áreas. Gerando empregos, aumentando a arrecadação, melhorando a infraestrutura, etc. Espero, de fato, que tal reativação possa se concretizar o quanto antes. Mas enquanto isso não ocorre, a história da terrinha e de sua malha ferroviária vão ganhando mais algumas linhas (de texto).

Tiago Rafael dos Santos Alves

Professor, Historiador e Gestor Ambiental

Membro Correspondente da ACL e AMLJF

tiagorsalves@gmail.com

Publicidade

Clinica Lu Applim
Cinema

Publicidade

Insta do Siga Mais